Aplicativos para celular – cuidado com os não confiáveis

Apps que prometem ajudar a saúde não são confiáveis, dizem médicos

GIULIANA MIRANDA
DE SÃO PAULO

Fim da acne, aumento dos seios e alívio da depressão são só alguns dos serviços oferecidos pelos mais de 40 mil aplicativos “médicos” disponíveis para 3983_9f5b9c42f08364663701d97d4cfcde88_905f9ec7d9b1ca315bfd6964a535d304celular. Embora boa parte deles seja inofensiva e desempenhe tarefas como lembrar o usuário de tomar um remédio, há uma parcela cada vez mais ambiciosa que promete a cura ou uma melhora significativa para diversos males. Sem testes ou evidências científicas, esses apps entraram na mira de associações médicas, grupos de pesquisa e até da toda-poderosa FDA (agência que regula alimentos e remédios nos EUA). A organização deve emitir nos próximos meses regras para fiscalizar e controlar a circulação desses softwares.

O Centro de Jornalismo Investigativo da Nova Inglaterra, ligado à Universidade de Boston, fez um levantamento indicando as maiores lorotas tecnológicas prometidas pelos aplicativos. A lista contém 1.500 apps. Quando não apresentam conceitos errados, os programas se aproveitam da falta de informação dos usuários. É comum também que um determinado aspecto de um tratamento seja deturpado e usado de maneira simplista. É o caso do AcnApp, que era vendido por US$ 1,99 para iPhone. Segundo o fabricante, o usuário deveria segurar o visor perto do rosto por alguns minutos todos os dias. Ele emitiria luzes vermelhas e azuis que matariam as bactérias que favorecem a acne, melhorando a pele.

“O tratamento com luz vermelha e azul já é muito consolidado para tratar a acne”, explica Gabriela Casabona, dermatologista do Hospital Samaritano. “Mas a luz que tem esse efeito é própria para isso. Tem um comprimento de onda, um tempo de exposição e uma distância muito específicas”, completa.

O app teve quase 15 mil downloads e despertou a atenção das autoridades, que conseguiram removê-lo da lista da loja de aplicativos da Apple. O fabricante precisou pagar uma multa de US$ 14.294, mas não teve nenhum problema com a Justiça.

A decisão, porém, não impediu que outros dispositivos seguissem a mesma linha. O iSAD promete tratar a desordem afetiva sazonal, a depressão que atinge as pessoas com baixa exposição à luz solar, como as que vivem em países nórdicos. O app promete usar a luz do visor do iPhone para, em sessões de cerca 30 minutos por dia, tratar essa depressão. O serviço custa US$ 9,99. “É improvável que a intensidade do visor e o uso dessa maneira sejam capazes de ter algum efeito”, diz Elko Perissinotti, do IPq (Instituto de Psiquiatria) da USP.

No aplicativo Breast Augmentation, são os sons que prometem fazer efeito. Ele trabalha com a ideia de que mulheres amamentando têm seios maiores. A partir daí, o aplicativo diz que ouvir alguns minutos de choro de bebê por dia estimula o organismo a aumentar os seios. Esses e outros aplicativos podem ser comprados no Brasil, mas a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) afirmou que não há projetos de regulamentação do setor. Oficialmente, qualquer app que se proponha a curar uma doença precisa de autorização do órgão.

fonte: folha online (04/01/2013), matéria na íntegra

, , , , ,

  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: