Indústria farmacêutica e médica têm cartilha para usar redes sociais

A agência americana FDA (Food and Drug Adminstration) ‘acordou’ para a social media e sugeriu, redes sociais
finalmente, práticas para as empresas interagirem com os consumidores

A agência americana responsável por regulamentar a indústria farmacêutica e média, Food and Drug Administration (FDA) acordou para as redes sociais e liberou uma cartilha de práticas como sugestão para que as fabricantes de produtos farmacêuticos e médicos possam usar a social media para fazer o marketing de seus produtos ou criar um canal de comunicação para esclarecer informação incorreta ou inadequada sobre seus produtos que possa ter sido divulgada na web.

Segundo o jornalista Erik Sass, autor do blog The Social Graf, “as regras foram divulgadas como ‘rascunhos’ portanto como referência não oficial por hora, o que não obriga a FDA a se responsabilizar por elas e também pode gerar mudanças”. A cartilha tem 18 páginas e pode ser baixada por esse link.

As regras de marketing divulgadas pela FDA reconhecem por exemplo que, ao contrário de jornais e revistas que têm espaços maiores para publicidade, redes sociais como Facebook e Twitter oferecem espaço limitado para explicar detalhadamente um produto ou mesmo publicar aquelas informações em letras beeem pequenas.

Mas a agência enfatiza que os profissionais de marketing dessas companhias estão submissos às regras preexistentes que regulam mensagens promocionais, incluindo informes sobre riscos, benefícios e outras indicações específicas ligadas aos produtos. Nesse caso, todo tweet, post no Facebook ou outro tipo de informe em social media terá obrigatoriamente que incluir, por exemplo, dados sobre o risco do produto.

Sempre que possível, informações sobre riscos de uso dos produtos precisam ganhar um destaque especial e, se não houver espaço para todos os riscos, o mais sério precisa ser priorizado. Além disso, em todos os casos, a empresa precisa acompanhar o post de um link que remeta a uma página com informes completos.

Segundo Sass, a FDA não se importa se a empresa decidir encurtar a URL (ufa!), mas recomenda que o link seja parecido com “www.product.com/risk”. E, se o produto tiver uma lista de informes consideravelmente grande, a FDA sugere que a companhia “jogue a toalha” e use outro tipo de mídia para promove-lo.

No caso de correção de má informação ou dados incorretos publicados em sites terceiros (numa Wikipedia, por exemplo, ou em um forum de discussão), a FDA entende que as regras do site podem impedir a empresa de ocupar todo o espaço necessário para colocar os informes habituais do produto.

Nesses casos, se a fabricante não foi responsável pela publicação original, ela não é obrigada a publicar todos os detalhes técnicos e legais, limitando-se a publicar um texto que corrija o erro e identificando-se como a fonte da correção e não tirando vantagem da situação para fazer marketing de produto.

Fonte: Dikajob

, , , ,

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Cássio Roberto Bossi

Consultoria em Gestão Financeira

ACS Infoco Saúde

Newsletter Informativa da ACS Gestão de Negócios

Juliana Lima

Newsletter Informativa da ACS Gestão de Negócios

CURIOSIDADES NA INTERNET .COM

Do not waste time, we look for you the news ...

%d blogueiros gostam disto: