Estudo afirma: mais sexo em casa, maior produtividade no trabalho

CasalTradução e adaptação: Daniel Souza

Uma vida sexual ativa pode levar ao aumento de satisfação no trabalho. É o que afirma um estudo realizado pela Oregon State University’s College of Business.

O estudo, conduzido pelo Professor Keith Leavitt e colaboradores (Oregon State University’s College of Business) entrevistou 159 pessoas casadas e empregadas durante duas semanas. Acompanhando seus hábitos, identificou que os que priorizavam a atividade sexual em casa, apresentavam-se mais bem humorados e produtivos no trabalho.

Segundo Leavitt, é comum fazer piada com as pessoas que declaram viver “fogosamente” a relação de casal, mas isso é sério e precisa ser debatido, pois tem impacto direto no âmbito profissional. Assim com casais sexualmente ativos tem bons resultados na motivação para o trabalho, o movimento contrário também é relatado pelo estudo: o estresse que o funcionário carrega do escritório para casa afeta a saúde sexual do casal, principalmente em tempos onde os smartphones, e-mails e redes sociais fazem com que as pessoas fiquem conectadas o tempo todo.

O sexo libera dopamina (centros de recompensa do cérebro) e oxitocina (neuropeptídeo ligado ao comportamento social), tornando o ato sexual um “elevador” natural do humor e da motivação. Esse efeito se mostrou permanente nas 24 horas seguintes.

Ainda seguindo Leavitt, o resultado serve de alerta para a importância social, emocional e fisiológica do sexo – o que reforça a necessidade de os casais dediquem o tempo certo para a prática sexual. Lembra que, da mesma forma como, há vinte ou trinta anos, soava estranho e exagerado medir a qualidade do sono ou a ingesta de calorias como sinalizador de qualidade de vida no passado, talvez seja a hora de repensar o sexo sob a perspectiva de seus benefícios para a qualidade de vida.

“Existem ações mais estremas nesse sentido. Um vereador sueco propôs uma lei onde funcionários da prefeitura de Estocolmo usem uma hora por semana de seu horário de trabalho para fazer sexo. Ao defender a lei, justificou a necessidade de aumentar urgentemente a população jovem da cidade, bem como melhorar o humor e a qualidade de vida dos funcionários. Os gestores não precisam chegar a tanto, desde que busquem, no ambiente de suas equipes, estimular e melhorar o balanço entre vida pessoal e vida profissional. Um bom exemplo partiu da França, recentemente. Foi promulgada uma lei que impede e-mails além do horário do expediente, dando o direito ao funcionário de “se desconectar”, pondera Leavitt.

Os achados do estudo foram publicados recentemente no Journal of Management. Além do Professor Leavitt, participaram da pesquisa como co-autores os professores Christopher Barnes e Trevor Watkins da Universidade de Washington e David Wagner da Universidade de Oregon.

Veja o estudo na íntegra, clicando AQUI.

fonte: Oregon State University e Quartz website.

, , , , , ,

  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: