Arquivo de fevereiro \13\-02:00 2019

Debate entre Inteligência Artificial e humanos – desta vez, o homem levou a melhor

Por quase três décadas, a IBM vem promovendo enfrentamentos entre inteligências artificiais e homens. Em 1997, o Deep Blue venceu o campeão Gerry Kasparov. Em 2011, o Watson venceu jogadores humanos no jogo de perguntas Jeopardy. Desta vez, o debate entre o software Project Debater, desenvolvido pela empresa americana para ser capaz de debater temas complexos com seres humanos, teve um resultado diferente: o campeão mundial de debates Harish Natarajan conseguiu ser mais convincente que “a máquina” e venceu o debate, de aproximadamente 40 minutos.

O tema escolhido foi a concessão de subsídios públicos para aumentar o acesso de alunos à pré-escola. O software não podia consultar a internet no momento do debate, mas apenas lançar mão das 10 bilhões de frases as quais o sistema poderia julgar e combinar, dando suporte à linha de raciocínio.

Harish Natarajan e o Project Dabater – debate consistente e informativo, impressionou o público.

Natarajan, contrário ao subsídio, conseguiu elevar seu nível de convencimento de 13% para 30% ao final do debate, enquanto o Project Debater iniciou o debate com 79% (a favor do subsídio) e terminou com 62%. O público era composto tanto de pessoas que estavam no debate quanto de internautas e reconheceram que “a máquina” contribuiu com importantes (e convincentes) informações sobre o tema.

Ao ser questionada sobre o tempo necessário para chegarmos ao ponto de a tecnologia derrotar o homem, a resposta da IBM foi cuidadosa: isso poderia ocorrer se a empresa tivesse algum interesse em investir nesse sentido. Todavia, o foco é que máquinas e homens trabalhem lado a lado. Junto com a computação em nuvem, análise de dados e segurança digital, a inteligência artificial é um dos mais importantes pilares estratégicos para a IBM.

O debate aconteceu durante a realização do “Tink”, evento anual promovido pela IBM.

Fonte: Valor Econômico

, , , , , ,

Deixe um comentário

Brasileiros são os que mais se socorrem no “Dr. Google”

O Google realizou uma pesquisa reveladora: 26% dos brasileiros, ao se depararem com um problema de saúde, recorrem ao “Dr. Google” antes de procurarem um médico. A pesquisa revela que o Brasil foi o país onde as buscas referentes à saúde mais cresceram nos últimos anos, mais até do que em outras categorias. Pesquisas em saúde cresceram 17,3%, muito mais do que cuidados com o cabelo ou maquiagem, por exemplo.

Esse movimento se deve ao fato de que 70% dos brasileiros não tem plano de saúde, o que torna o acesso à informação via web o recurso mais fácil de obtenção de prováveis “diagnósticos”. Ao mesmo tempo que a população se sente incluída com tanta informação, essa atitude traz “efeitos colaterais” importantes e perigosos: as pessoas acabam lançando mão de soluções sem a devida orientação profissional. Surgem também os “cibercondríacos” um estado de obsessão onde a pessoa adota o pensamento fixo de que, com base nas informações da web, pode estar com alguma doença grave.

Para especialistas do Google, a melhor maneira de combater a desinformação pelo excesso de informações sobre saúde é a produção de conteúdo de qualidade. Quanto mais profissionais médicos publicam, em linguagem simples e com base em evidências, informações esclarecedoras, menores as chances de o paciente se intoxicar com má informação.

Justamente com o objetivo de informar com qualidade, Rodrigo Calil, ortopedista, associou-se a outros dois colegas e abriu um canal no Youtube chamado Doutor Ajuda! Com mais de 350 mil inscritos, o canal fala de diagnósticos básicos do dia a dia, sempre reforçando que os vídeos não dispensam a procura por um médico.  

O Conselho Regional de Medicina alerta que buscar informações requer que as informações sejam sempre checadas quanto à fonte e à veracidade. E ressalta que é papel do médico estabelecer e ampliar a relação de confiança sólida com o paciente. Na busca de mais qualidade de informação, o Google tem realizado parcerias na elaboração de conteúdo, com mais de 1000 verbetes organizados em conjunto com o Hospital Albert Einstein e a Fio Cruz.

Fonte: Adaptado do texto de O Estado de S. Paulo – (10|Feb 2019/ Fabiana Cambricoli)

, , , , , , , , ,

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: