Arquivo para categoria Medicamentos Hospitalares

Anvisa aprova novo genérico para tratamento da hepatite C

Por: Ascom/Anvisa – Publicado (última modificação):  22/05/2018 15:26

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou, nesta segunda-feira (21/5), o registro de um medicamento genérico inédito destinado ao tratamento de infecções causadas por hepatite C crônica. O Sofosbuvir, que será utilizado como um componente da combinação do regime de tratamento antiviral, atua como inibidor da polimerase NS5B, enzima essencial para a replicação do vírus que provoca a doença.

sofosbuvir

De acordo com a Anvisa, a aprovação do Sofosbuvir deve reduzir os custos do tratamento, pois os medicamentos genéricos entrarão no mercado com valor, no mínimo, 35% menor que o do produto de referência.

Até o momento, não havia genéricos do medicamento Sofosbuvir, que está no mercado com o nome comercial Sovaldi, registrado pela empresa Gilead Sciences Farmacêutica do Brasil Ltda. O registro aprovado nesta segunda (21/5) pela Anvisa foi concedido à empresa Blanver Farmoquimica e Farmacêutica S.A.

Sobre a doença

A infecção viral por hepatite C, conhecida por provocar inflamação do fígado, é um problema de saúde global, com estimativa de 170 milhões de indivíduos cronicamente infectados. Não existe vacina contra a doença, por isso, o caminho é a prevenção.

De acordo com informações do Ministério da Saúde, a hepatite C é causada pelo vírus C (HCV) e está presente no sangue das pessoas infectadas. Entre as causas de transmissão estão a transfusão de sangue e o compartilhamento de material para uso de drogas (seringas, agulhas, cachimbos, entre outros), para higiene pessoal (lâminas de barbear e depilar, escovas de dente, alicates de unha ou outros objetos que furam ou cortam) ou para confecção de tatuagem e colocação de piercings.

Embora sejam formas mais raras, a transmissão da doença também pode ocorrer da mãe infectada para o filho, durante a gravidez, e por sexo sem camisinha com uma pessoa infectada.

Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, quando a infecção pelo HCV persiste por mais de seis meses, o que é comum em até 80% dos casos, caracteriza-se a evolução para a forma crônica. Cerca de 20% dos infectados cronicamente pelo HCV podem evoluir para cirrose hepática e cerca de 1% a 5% para câncer de fígado.

, , , , , , , ,

Deixe um comentário

Decisão do STJ libera genérico de remédio que custa R$ 17 mil a unidade

20180421-soliris-1024x576

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça tornou pública a patente do remédio Soliris, único no mundo para tratar doença genética rara que afeta o sistema sanguíneo. Cada unidade do produto feito pela farmacêutica americana Alexion custa cerca de R$ 17 mil aos cofres públicos, já que o produto não é vendido nas farmácias e é disponibilizado apenas pelo Sistema Único de Saúde. Remédios cuja patente expirou podem ter concorrência de genéricos, decide STJ.

A relatora do caso foi a ministra Nancy Andrighi. Para ela, patentes de medicamentos e de produtos químicos registradas entre janeiro de 1995 e maio de 1996 (caso do Soliris) já expiraram, o que possibilita a concorrência de genéricos. O intervalo se refere ao período entre a assinatura de acordo internacional de proteção à propriedade intelectual (Trips, na sigla em inglês) e o início da vigência da legislação brasileira de propriedade intelectual. A ministra explicou no voto que a proteção da patente nesses casos é assegurada por 20 anos contados da data do depósito. A decisão foi unânime.

A empresa questiona no recurso analisado pelo STJ a anulação da patente pedida pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial e acatada pelas instâncias judiciais ordinárias. “Tratando-se de medicamentos, adiar a entrada em domínio público das invenções significa retardar o acesso ao mercado de genéricos, causando, como consequência, o prolongamento de preços mais altos, o que contribui para a oneração das políticas públicas de saúde e dificulta o acesso da população a tratamentos imprescindíveis”, disse a ministra.

A ministra cita estudo do Conselho Administrativo Brasileiro de Defesa Econômica que aponta que os preços dos medicamentos sem patente caem em média 66%. “A extensão indevida de prazos de vigência, como na hipótese, impõe sensíveis custos a maior para seus adquirentes”, disse Nancy.

Segundo a Advocacia-Geral da União, que representou o INPI no caso, o SUS gastou R$ 613 milhões com a compra do medicamento em 2016, que foi utilizado para tratar 442 pacientes diagnosticados com Hemoglobinúria Paroxística Noturna, que pode impor ao paciente a necessidade de transfusões de sangue periódicas. A enfermidade destrói os glóbulos vermelhos do sangue, causando anemia, fadiga, dificuldade de funcionamento de diversos órgãos, dores crônicas, urina escura, falta de ar e coágulos sanguíneos.

fonte: site Consultor Jurídico – por Marcelo Galli, dia 20 de abril de 2018 (matéria na íntegra)

, , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Hospital do Câncer de Barretos inaugura unidade em Campinas (SP)

unnamed-6bglsa1

O Hospital do Câncer de Barretos inaugurou recentemente sua unidade em Campinas, o Instituto de Prevenção do Câncer. Com o objetivo de atender 300 pacientes/mês, nasce de um compromisso firmado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) no caso Basf/Shell, relativo à contaminação em Paulínia que afetou cerca de mil trabalhadores da empresa.

No Instituto serão realizados exames de papanicolau, mamografias, consultas e cirurgias de menor complexidade. O centro de diagnóstico terá centro cirúrgico com duas salas para procedimentos, consultórios, salas de coleta de papanicolau, salas para ultrassom, para exames e biópsias de mama, salas de treinamento e videoconferência, salas para realização de mamografias com equipamento digital, e sala de biópsia de mama equipada com mesa de estereotaxia.

Para funcionar, a unidade dependerá de recursos vindos do SUS, de doações e de um convênio com a Prefeitura de Campinas, que ainda está sendo negociado. Posteriormente, serão colocadas em funcionamento cinco carretas, sendo quatro destinadas a exames preventivos e uma para campanhas educativas itinerantes.

, , , , , , ,

Deixe um comentário

Teva conclui aquisição da Actavis

A farmacêutica Teva anuncia a conclusão do processo de aquisição da Actavis – área de genéricos da Allergan – após o recebimento das aprovações necessárias das autoridades governamentais.

“Esta aquisição estratégica reúne duas empresas líderes no setor de genéricos, com marca e cultura complementares. Quando combinamos os portfólios de genéricos das duas companhias, reforçamos ainda mais nosso objetivo de entregar produtos da mais alta qualidade, com os preços mais acessíveis. O resultado é uma companhia mais competitiva, forte e bem posicionada para prosperar em um mercado global em evolução e oferecer mais valor aos nossos acionistas”, diz o presidente e CEO da Teva, Erez Vigodman.

O executivo continua: “A aquisição da Actavis vem em um momento em que Teva está muito forte, tanto nos produtos genéricos como nos produtos de marca. Com esse negócio, estamos estabelecendo uma base sólida de longo prazo e um crescimento sustentável. Tudo isso ancorado por produtos genéricos líderes e um pipeline inigualável que acelerará nossa capacidade de construir um portfólio excepcional, tanto em genéricos como em especialidades”.

1090-1140-1-teva-pharm-banner2

De acordo com Vigodman, a companhia está confiante na rápida integração das duas empresas. “Como resultado do nosso perfil financeiro, reforçado em consequência dessa transação, estaremos ainda melhor posicionados para aproveitar todos os benefícios de Pesquisa e Inovação da TEVA, a fim de sustentar o desenvolvimento de produtos de primeira linha e expandir nosso portfólio. Esperamos um aumento do fluxo de caixa nos próximos anos e continuaremos a avaliar oportunidades para entregar retornos atraentes e contínuos aos acionistas”.

Com a aquisição, a Teva tem agora mais de 325 registros de produtos pendentes de aprovação no FDA e mantém a posição de liderança em oportunidades “first-to-file” com 123 novos medicamentos genéricos em aprovação nos EUA.

Aumento comercial global

A aquisição da Actavis melhora as oportunidades comerciais internacionais e aumenta significativamente a escala global das vendas e plataformas de pesquisa e desenvolvimento. A Teva passa a ter presença comercial em 100 mercados, incluindo uma posição de liderança TOP 3 em mais de 40 mercados.

Destaques financeiros

A Teva espera alcançar sinergia de custos e economia de impostos de aproximadamente US$ 1,4 bilhão anualmente, em grande parte por ocasião do terceiro aniversário do fechamento da transação. A Teva prevê economias geradas pela eficiência nas operações, gastos gerais administrativos, fabricação, venda e marketing.

A Allergan recebeu US$ 33,75 bilhões em dinheiro e aproximadamente 100 milhões em ações da Teva.

Forte time global combinado à profunda experiência em todo o negócio

As duas empresas contam com cultura e estratégia muito próximas, e a Teva está focada em alavancar competências e talentos em ambas as organizações. A equipe de gestão é composta por líderes da Teva e da Actavis, e está estruturada para alavancar a força dos talentos de ambas as organizações para garantir que a Teva continue fortalecendo-se como líder mundial em genéricos. Com essa estrutura, a empresa está imediatamente posicionada para maximizar o crescimento em todos os seus negócios globais.

“Aqui no Brasil, estamos muito confiantes em que essa aquisição ampliará ainda mais nossa presença regionalmente e permitirá a oferta de produtos de alta qualidade com preços acessíveis, sempre focados na melhoria da qualidade de vida dos pacientes”, explica Nicolas Lodola, gerente geral da Teva Brasil.

Integração operacional e prontidão

Desde que o acordo de aquisição foi anunciado, em julho de 2015, as equipes da Teva e da Actavis trabalham com muito cuidado para planejar a integração das duas companhias, garantindo a operação logo após o fechamento da transação. Como resultado dessas ações, a Teva começará a capitalizar os benefícios oferecidos pela aquisição da Actavis imediatamente.

Lodola finaliza: “A Teva tem o histórico de realizar grandes transações de forma efetiva, com alto nível de adaptação do negócio, oferecendo rapidamente aos pacientes e familiares todos os benefícios que uma aquisição como essa pode oferecer”.

Sobre a Teva

A Teva Farmacêutica é líder global no setor farmacêutico e oferece soluções com alta qualidade voltadas para a melhora da qualidade de vida. Com sede em Israel, a Teva é o maior produtor de medicamentos genéricos do mundo, aproveitando um portfólio com mais de 1.000 moléculas para produzir uma ampla gama de produtos genéricos para quase todas as áreas terapêuticas. Além disso, a Teva tem uma posição de liderança mundial em tratamentos inovadores para doenças do sistema nervoso central, incluindo a dor, bem como um forte portfólio de produtos para a área respiratória. A divisão de pesquisa e desenvolvimento da Teva integra medicamentos genéricos e de marca, criando novas formas de abordagem para as diferentes necessidades dos pacientes e combinando o desenvolvimento de novas drogas com dispositivos, serviços e tecnologias. No Brasil desde 2006, oferece produtos para Saúde Feminina, Oncologia, Respiratória, Neurologia, Hematologia e Infectologia. A receita líquida global da Teva totalizou US$ 19,7 bilhões em 2015.

fonte: matéria na íntegra site corporativo Teva. clique aqui.

, , , , ,

Deixe um comentário

Descontos nos medicamentos devem reduzir impacto de reajuste

O governo federal autorizou um aumento de até 12,5% no preço de remédios. Segundo o presidente da Interfarma (Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa), os descontos praticados pelo mercado devem influenciar o preço final do medicamento, reduzindo o impacto para o consumidor.
remedios

A entidade diz que no varejo farmacêutico, o abatimento médio pode chegar a 72% para genéricos e 16% para medicamentos de referência. “Como esse mercado é muito competitivo, os preços ficam sempre abaixo do índice de reajuste”, explica Britto.

É a primeira vez em mais de dez anos que o aumento autorizado pelo governo fica acima da inflação oficial, que foi de 10,36% nos 12 meses terminados em fevereiro. Segundo a Interfarma, a alta da energia elétrica e as variações do câmbio tiveram grande influência no índice deste ano.

fonte: site Interfarma

, , ,

Deixe um comentário

México tem primeira vacina contra dengue registrada no mundo

Aline Leal – Repórter da Agência Brasil (matéria na íntegra)

O México aprovou hoje (9) o registro da vacina contra a dengue da Sanofi Pasteur, que também está com pedido de registro no Brasil. “É a primeira vacina contra a dengue que recebeu a aprovação por uma agência reguladora em todo o mundo”, disse a diretora médica do laboratório, Lúcia Bricks.

Vacina-dengue

A agência reguladora mexicana indica o produto para a faixa etária entre nove e 45 anos. De acordo com o laboratório francês, o imunizante tem eficácia de 60,8% contra os quatro sorotipos da doença, taxa de redução de hospitalização de 80,3% e diminuição de 95,5% de casos graves da dengue. A imunização deverá ser feita em três doses, com intervalos de seis meses.

Leia o resto deste post »

, , , , , ,

Deixe um comentário

Novo tratamento para câncer de próstata metastático é aprovado pela FDA

xofigoRecentemente, a entidade que regula os medicamentos nos EUA (FDA) aprovou Xofigo® (radium 223), da Bayer, para o tratamento de doentes com câncer da próstata resistente à castração (CPRC), metástases ósseas sintomáticas e doenças metastáticas viscerais desconhecidas. O Xofigo® é o primeiro agente terapêutico emissor de partículas radioativas alfa aprovado pela FDA que demonstrou melhorar a sobrevida global (SG) e postergar ao longo do tempo os primeiros sintomas de metástase óssea quando comparado ao placebo, conforme demonstrado no ensaio clínico principal de Fase III ALSYMPCA, avança o site Paran@shop. A próstata é uma glândula exclusiva do sistema genital masculino, que se localiza abaixo da bexiga. A sua função é produzir substâncias que vão ajudar a tornar o sémen mais fluido, facilitando o deslocamento dos espermatozóides. Mais do que qualquer outro tipo, o câncer da próstata pode ser considerado uma doença da terceira idade, pois cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem em homens partir dos 65 anos. Atualmente, o câncer da próstata é quinto câncer que mais mata homens no mundo.

Segundo Fernando Maluf, Chefe da Oncologia Clínica do Centro Oncológico Antonio Ermírio de Moraes-Beneficência Portuguesa, no Brasil, a aprovação do Xofigo® pode ser considerada de muito significado clínico e científico porque o medicamento pode ser utilizado no tratamento de câncer de próstata metastático. “É um tratamento muito interessante porque é o primeiro que utiliza um radioisótopo, partícula que apresenta um núcleo atómico instável que emite energia quando se transforma num isótopo mais estável e impede o crescimento tumoral, que aumentou a sobrevida dos pacientes. Nenhum outro tratamento conseguiu estes resultados”, explica Fernando Maluf.

O Xofigo® apresenta um perfil de segurança favorável e tem potencial para melhorar os resultados entre os pacientes de forma completamente inovadora. O seu princípio activo, o radium 223, emite partículas alfa que actuam sobre as células cancerígenas em metástases ósseas. Aproximadamente 90% dos pacientes com câncer da próstata metastático apresentam indícios de metástases ósseas que podem levar a um aumento na frequência de eventos esqueléticos e já demonstraram ser a principal causa de morbidez e morte entre pacientes com CPRC. “O Xofigo® melhora os sintomas da doença e aumenta a qualidade de vida dos pacientes”, conclui Fernando Maluf.

Site: Grupemef

, , , ,

Deixe um comentário

Biomedicamentos – o presente e o futuro do mercado farmacêutico

O mercado farmacêutico mundial vem passando por sucessivas transformações ano após ano e as principais mudanças gravitam em torno de alguns divisores de águas: expiração das patentes de grandes marcas de medicamentos, evolução sem precedentes dos genéricos, falta de pesquisas inovadoras e a pressão dos governos e planos de saúde para uma redução nos custos com medicamentos. Do outro lado, o investimento em medicamentos de biotecnologia cria perspectivas jamais imaginadas para tratar doenças crônicas complexas como o Câncer, o mal de Alzheimer e o Diabetes.

startimage

Leia o resto deste post »

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Emprego em farmacêuticas vai crescer neste ano, diz setor

(10/2013 – Editoria Folha de São Paulo)

O número de funcionários contratados pela indústria farmacêutica brasileira deve crescer cerca de 6% neste ano na comparação com 2012, de acordo com estimativa do Sindusfarma (sindicato que representa o segmento). “No Estado de São Paulo, o aumento vai ficar abaixo dessa média nacional por causa da questão tributária que o setor enfrenta”, diz Nelson Mussolini, presidente-executivo da entidade. “Há crescimento de empregos muito mais forte em outros Estados, como Goiás, Minas Gerais e Paraná, justamente pela política tributária [mais favorável] que há nessas localidades”, afirma.

folha de sao paulo
No ano passado, o número de empregados do setor farmacêutico no país cresceu 4,5% em relação a 2011 e chegou a 79 mil pessoas. Em São Paulo, a evolução de 2011 para 2012 ficou um pouco abaixo, em 4%. No Estado, no entanto, a variação positiva representou apenas uma recuperação, pois o total de contratados pelo segmento voltou ao mesmo patamar de 2008: cerca de 43,6 mil funcionários. “Em São Paulo, os novos postos de trabalho que surgiram não são da parte industrial das empresas”, diz Mussolini. “São contratações de áreas administrativas e de vendas dos laboratórios”, afirma o executivo.

O setor farmacêutico tem aproximadamente 500 empresas no país, das quais quase 200 localizadas no Estado de São Paulo.

, , ,

Deixe um comentário

Empresa farmacêutica russa produzirá remédios contra câncer no Paraná

Unidade será a primeira da Biocad na América do Sul

A companhia farmacêutica russa Biocad está planejando investir US$ 40 milhões na abertura de uma fábrica no Paraná, sua primeira instalação em um país da América do Sul. No local, a empresa pretende produzir versões genéricas de uma droga utilizada no tratamento contra o câncer e dois outros remédios.

biocadSegundo o diretor executivo da Biocad no Brasil, David Zylbergeld, parte do financiamento do projeto de produção dos biossimilares ficará sob responsabilidade do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) já que se trata de uma área estratégica para o governo. Ele explica que só no ano passado o Brasil gastou mais de US$ 200 milhões com esses medicamentos que serão fabricados no Paraná, o trastuzumabe, o rituximabe e o peginterferão.

Ao todo, o Ministério da Saúde brasileiro investiu quase US$ 3 bilhões em remédios em 2012 e, de acordo com os planos do governo, esse valor deve chegar aos US$ 14 bilhões em 2016, um ano depois do início das operações da Biocad no Brasil. De acordo com Zylbergeld, ainda não se sabe quanto as autoridades pretendem gastar com a aquisição dessas drogas nos próximos anos, mas o fato de haver versões genéricas delas e produzidas no próprio país implicará numa grande economia para os cofres públicos.

Para conhecer mais sobre a empresa, clique AQUI

fonte: Porta Dikajob

, , , , ,

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: