Posts Marcados Johns Hopkins Medicine

O futuro da conectividade em saúde é logo ali

Não é novidade que a qualidade em todos os estágios dos serviços de saúde, desde uma consulta simples a procedimentos cirúrgicos e emergenciais mais complexos, passa termos por profissionais bem qualificados, instalações minimamente certificadas e modernizadas para bem receber o paciente. Todavia, sem sombra de dúvidas, será o investimento em conectividade o fundamental para a prática médica e o melhor atendimento das necessidades do paciente. A conectividade, na realidade, permeia tudo o que foi mencionado como fundamental.

Por mais que se discuta dilemas éticos, práticos, filosóficos (e a discussão deve mesmo existir), a integração por transmissão de dados, som e imagem irá cada vez mais garantir que se consiga prestar ótimos serviços à população. Equipamentos com inteligência artificial, sistemas que se conversam e “pensam” junto com a equipe médica e de suporte, responsáveis por realizar os melhores protocolos de atendimentos, tomam conta do dia a dia em saúde.

Redes de alta qualidade já permitem compartilhar dados clínicos em tempo real, conectados com equipamentos de alta performance em medição paramétrica, tanto na ação de monitorar um paciente quanto na eficiente disponibilização de resultados de exames de imagem em nuvem, por exemplo.

Para se ter uma ideia do quanto precisamos entender esse movimento, a Global Market Insights prevê que até 2024 (estamos falando de míseros 5 anos), o mercado digital em saúde deverá crescer 26% em média anualmente. E, claro, o avanço galopante dos smartphones tem sido o grande responsável por esse movimento, uma vez que traz consigo o desenvolvimento de aplicativos que permitem interagir cada vez mais com o paciente, para rápidas consultas, prescrições para problemas simples ou análise de exames. Outro pilar desse avanço é a melhoria sistêmica dos sistemas de transmissão, por meio de redes de alta velocidade (fibra ótica), proporcionando baixíssimos níveis de “delay”. Não estamos falando de tecnologias ainda em teste ou distante. A fibra ótica é exatamente a mesma que traz TVs a cabo para dentro de nossas casas, nada de mais.


Swymed – mochila capaz de auxiliar médicos a coletar informações, fazer diagnósticos críticos e promover webconferences em campo

Ainda segundo o Global Market Insights,  cinco formas de como a conectividade confiável e de baixo “delay” contribui com a prática médica no segmento de saúde:

  1. Acesso ao paciente – pessoas que vivem em áreas remotas, distante dos recursos comumente usados em grandes cidades ou pessoas que simplesmente não conseguem encaixar cuidados com a saúde em horários regulares, poderão se beneficiar. O médico pode usar o recurso tecnológico como um primeiro “filtro diagnóstico”, evitando que o paciente precise se desloca ou armar uma verdadeira operação logística por uma consulta que, em primeira análise, pode resolver problemas simples de forma remota.
  • Colaboração Interdisciplinar – o diagnóstico multidisciplinar nem sempre é tarefa fácil e precisa de consenso rápido. Membros de um mesmo time nem sempre conseguem estar juntos para tomar uma decisão quanto a um determinado caso. É possível que médicos, enfermeiros e demais envolvidos possam rapidamente interagir por voz e imagem, tendo compartilhado em tela todo o histórico do paciente.
  • Atendimento emergencial mais efetivo – no caso do atendimento a um acidente de trânsito, tempo significa salvar vidas. Os paramédicos ou socorristas precisam agir rápido e, idealmente, ter em mãos informações e recursos que lhes permitam salvar aquele paciente. A SwayMed (http://swymed.com/), uma empresa de softwares em telemedicina de Massachusetts, desenvolveu uma mochila capaz de auxiliar médicos a coletar informações e fazer diagnósticos críticos em campo mesmo. Leve e intuitiva, a mochila contem itens como estetoscópio, ultrasom e até um sistema de fibras óticas capaz de emitir rapidamente resultados de exames clínicos para análise em minutos. Quase como um “médico de bolso”.
  • Monitoramento em tempo real – pacientes crônicos precisam ser monitorados e as informações, via de regra, precisam ser precisas e em tempo real. Um bom exemplo são pacientes diabéticos ou cardíacos. Os wearables (em tradução informal, tecnologias que podem ser “vestidas”), detectam rapidamente informações que podem ser captadas e lidas por especialistas e que os alertas necessários sejam detectados.
  • Transmissão segura dos dados – nenhuma informação pode ficar à mercê de hakers. Pois cabos de fibra ótica são reconhecidamente mais difíceis de serem invadidos do que cabos de cobre, por exemplo. Hospitais que utilizam a tecnologia de fibra ótica, portanto, tem muito mais tranquilidade quanto à proteção de dados.  A gradativa eliminação de provedores físicos (espaços, caros e vulneráveis a hakers), em substituição ao ambiente de nuvem tende a acelerar esse processo.

Como vemos, a interação remota, a digitalização de dados e o transito de informações, quer seja voz, dados ou imagens em alta definição, já são uma realidade no meio médico, ainda que não necessariamente nesta ordem de importância ou de grandeza.

Claro que não podemos desconsiderar que toda a inovação, quando se trata de lidar com a vida do paciente, precisa ainda mais de critérios, consensos e rígidos protocolos. O erro médico é a 3ª maior causa de mortalidade nos EUA. Segundo pesquisa da Johns Hopkins Medicine, perde apenas para complicações cardíacas e câncer. Claro que o estudo não credita seus achados estatísticos apenas à tecnologia, mas falhas em função de ferramentas digitais também são consideradas. Novos aplicativos “facilitadores” do dia a dia são lançados a todo o momento. Cabe às organizações e suas áreas de TI a responsabilidade de “separar o jôio do trigo”, minimizar erros, treinar suas equipes e seus usuários, garantindo assim a integridade do paciente quanto ao uso de dispositivos digitais integrados.

Falhas ocorridas por mal uso ou mal funcionamento de ferramentas digitais podem trazer efeitos nefastos, pondo em risco a saúde do paciente e comprometendo tanto a credibilidade do médico quanto a da instituição de saúde.

Por fim, a interação entre especialistas no universo digital, gerenciadores de redes e os profissionais médicos que planejam as aplicações clínicas ainda é uma cultura em franco desenvolvimento. Sintoma claro de um movimento em estágio adolescente. Executivos de TI sofrem um forte impacto quando desembarcam na área de saúde, principalmente em clínicas e hospitais. Segundo o CEO da Medigram, Sherri Douville, “É difícil para eles a compreensão de que sua rede e infraestrutura são a chave mágica para o uso de um simples celular”. Constantemente confundem o ambiente do consumidor e suas peculiaridades, com o ambiente hospitalar, pondera.

Existe ainda uma enorme área de necessidade e oportunidade para que fornecedores, ao invés de tratar apenas de soluções corporativas em TI, mirem soluções específicas para a assistência médica como um todo. Um árduo caminho para que a conectividade esteja, cada vez mais, a serviço de médicos e pacientes na construção de melhores soluções de saúde e de qualidade de vida.

Fonte: Hit Infrastructure Xintelligent Healthcare Media

, , , , , , , ,

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: